Agro pode neutralizar emissões antes mesmo de 2030, destaca presidente da Aprosoja

O presidente da Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso do Sul), André Dobashi, defendeu durante a Showtec, que o agronegócio pode neutralizar as emissões de carbono, antes da meta do Governo de MS, que é de 2030. Segundo o representando dos agricultores, o nível de ciência e tecnologia empregado no campo, adiantará os bons resultados e o principal responsável pelo êxito serão os produtores e produtoras rurais.

“Vamos avançar fazendo uma agricultura sustentável e sequestrando carbono. E se o sequestro de carbono está na mídia, como salvação para o mundo, os salvadores do mundo somos nós, produtores rurais. Porque o sistema integrado, da agricultura com a pecuária, dentro do processo de rotação de cultivo, além de todo processo tecnológico, é o que faz da gente a maior potência para salvar o mundo das emissões e zerar isso. E o Governo de MS está super empenhado. Vamos conseguir zerar as emissões de carbono ainda antes de 2030”.

O Governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, trouxe pontos reverenciados também pelos produtores rurais que participam da feira de tecnologias. Segundo ele o estado avançou muito nos últimos sete anos e meio e dobrou a área dedicada à agricultura. “Tecnologia, ciência e inovação têm papel fundamental nesse desempenho. Dá para errar aqui dentro da Fundação MS, para não errar lá fora, nas propriedades rurais”.

Pontos estratégicos para o setor como a rota bioceânica e diminuição de custos foram abordados pelo executivo. “Vamos nos reunir com ministros e governadores do Paraguai, Argentina e Chile, para avaliar os detalhes da Rota que Bioceânica, que será a nova rota do Panamá. Também teremos audiência pública sobre a nova Ferroeste, ponto de conexão da malha oeste e a malha norte, dando competitividade. O setor produtivo e a indústria precisam de ferrovia. Precisa Estimular esses corredores”, explicou Azambuja.

O governador ainda sinalizou uma reunião com o presidente da República, a fim de aumentar o volume de crédito e diminuir os juros aos produtores rurais. “Tivemos um brutal aumento de custo de produção, por isso a importância da Fundação MS, criar variedade resistente à seca e outros desafios. Reuniremos com o presidente Bolsonaro, para voltar o funcionamento do Moderinfra, Moderfrota, com juros compatíveis com o momento em que estamos vivendo”.

O presidente do Sistema Famasul, Marcelo Bertoni, destacou a relevância do setor para a economia de Mato Grosso do Sul. “Há 45 anos, com a criação do estado e da Famasul, deixamos de ser importadores de alimentos para sermos referência nacional em produção e exportação no agro. Hoje, assumimos posicionamentos importantes no ranking nacional e mundial de cadeias produtivas”, disse Bertoni.

Encontro Jovens da Agropecuária

O presidente da Aprosoja/MS, André Dobashi, também palestrou a jovens ligados à agropecuária, levando informações ligadas à tecnologia na agricultura. Dentro da palestra destacou termos como conectividade, ressaltando a relevância de cada talhão estar conectado, a fim de reunir dados precisos, que contribuam para a gestão. Mas deixou claro que na sua concepção a maior tecnologia disponível no mercado é o capricho. A tecnologia não veio para decidir, veio para apoiar as tomadas de decisões. Mas destaco que o capricho é atemporal e a melhor tecnologia que existe”.

O Encontro Jovens da Agropecuária reuniu centenas de estudantes e recém-formados em diversas áreas, ligadas à agropecuária ou não. A ação é realizada anualmente pelo grupo Famasul Jovem, uma iniciativa que tem por finalidade reunir e orientar possíveis novas lideranças da agropecuária sul-mato-grossense.

Veja também