Conecta MS muda realidade de comunidades rurais de MS

Num mundo tão conectado, a vida sem internet e até sem sinal de celular parece ser uma realidade distante. Porém, conforme o Pnad Contínua divulgado em abril deste ano pelo IBGE, um em cada cinco brasileiros não têm acesso à internet. Em Mato Grosso do Sul essa realidade vem sendo transformada pelo Conecta MS que leva inclusão digital a áreas remotas do Estado.

Muito além de levar internet a moradores de comunidades rurais, o projeto desenvolvido pelo Governo do Estado em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), leva conhecimento e abre um mundo de oportunidades, visando o desenvolvimento sustentável de Mato Grosso do Sul. Em quatro meses do lançamento do Conecta MS, o número de pontos de conexão via satélite saltaram de 35 para 100.

Da comunidade Renascer na Barra do São Lourenço em Corumbá, a líder da Associação das Mulheres Extrativistas do São Lourenço, Leonida Aires de Souza, mais conhecida como Eliane, se emociona sempre que lembra do passado não tão distante sem sinal de telefone ou internet.

“Falar sobre a internet na nossa comunidade, eu não sei nem te expressar a gratidão, a melhoria que a internet fez na vida da gente. Fez toda diferença. Sem comunicação passamos apertado com fogo, tivemos várias dificuldades. A gente queria saber da família da gente não tinha como, porque moramos fora da cidade. Aconteciam as coisas, e a gente não tinha como pedir socorro. Então a internet na nossa comunidade chegou com grande satisfação, com grande alegria que nos recebemos essa benção que Deus nos deu”, afirma a moradora da comunidade que tem cerca de 23 famílias.

Cada comunidade possui um bolsista que cuida da sala e estimula o conhecimento entre os moradores do local. No Assentamento Aba da Serra em Ponta Porã, a monitora Cícera Maria de Andrade conta que moram no assentamento mais distante do município, e que por lá não pega sinal de celular e que a internet tem transformado a realidade dos moradores locais e de assentamentos vizinhos e fazendas.

“Toda a comunidade está sendo beneficiada com vários cursos, palestras, pesquisas, além de contribuir com o aspecto social, como reencontros com familiares e amigos distantes pela internet. Resumindo, o Conecta MS é a realização de um sonho dos moradores do Assentamento Aba da Serra”, conta Cícera que tem acompanhado cerca de 230 pessoas do local e da região. “O progresso chegando”.

Na comunidade Aldeia Tereré em Sidrolândia, o Conecta possibilitou acesso a internet a todas as famílias locais com a oferta de cursos. Instrutor do curso de informática e digitação, Paulo Figueiredo (foto capa), conta da experiência de apresentar um mundo novo para crianças e adultos. “Poder passar o conhecimento da área da informática e digitação e desde então a comunidade junto com os alunos se adaptaram muito a essa área , sempre buscando aprender cada dia mais. Pode-se dizer que houve uma grande evolução dentro da nossa comunidade em relação ao Conecta MS”.

No Estado, o Tecsocial – Projeto Tecnologias Sociais para o Desenvolvimento de Territórios da Cidadania – foi pioneiro levando internet a assentamentos e aldeias de 11 municípios do interior. Foi a partir dele que a Semagro firmou parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para expandir a iniciativa e levar internet a outras regiões.

Enquanto o Mapa por meio do Ministério das Comunicações disponibiliza pontos de conexão via satélite, o Governo do Estado atua na estruturação dos locais com computadores e webcams, e dispõe de bolsistas moradores da própria comunidade que zelam pela sala e promovem o uso da estrutura disponível, transformando os espaços em salas digitais. Através do monitor, que recebe uma bolsa no valor de R$400 do Governo do Estado, por meio da Semagro e Senai, a gestão estadual consegue acompanhar todo o processo, estabelecer metas e organizar workshops, oficinas, palestras e mentorias especializadas.

Atingir 100 pontos de internet no Estado foi a meta traçada pelo governador Reinaldo Azambuja quando o programa foi lançado há quatro meses. Na ocasião, ele enfatizou o impacto positivo da conectividade na zona rural. “O estado só cresce se todo mundo crescer junto”.

Já a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, enfatizou a parceria. “É emocionante a gente ver esses pontos que estão recebendo o sinal 4G. Essa harmonia entre governos estaduais com o governo federal facilita a vida das pessoas”.

Para o próximo ano a expectativa do titular da Semagro, Jaime Verruck é melhorar a infraestrutura nas 100 comunidades onde já existem os pontos. “A meta para 2022 é promover melhorias nas salas, nos computadores e contratar mais monitores para as comunidades. A ideia é formar uma grande rede de conhecimento e serviço público para os pequenos produtores do Estado”.

Pax Primavera
Veja também

Ao continuar navegando nesse site, você concorda com o uso de cookies. Estou ciente Saiba mais