Presídio Ricardo Brandão, em Ponta Porã

O Ponta Porã News recebeu informação nesta quinta-feira (7), que há atualmente no presídio Ricardo Brandão, em Ponta Porã, mais de 150 detentos com Covid-19. Esse, aliás, teria sido um dos motivos que levou ao motim na última sexta-feira (1), quando presos fizerem um agente penitenciário refém.

Ontem (6), a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) iniciou um mutirão de testes do Novo Coronavírus no local, com aproximadamente 400 testes rápidos que foram enviados à SES (Secretaria Estadual de Saúde).

Essa testagem aconteceu depois da confirmação de 35 presos infectadas com o vírus.

Covid-19 nos presídios de MS

Reportagem do Campo Grande News afirma que em todo o Mato Grosso do Sul há 117 detentos em tratamento contra o Coronavírus, com situação mais delicada em Ponta Porã.

O Ponta Porã News também foi informado que os presos já estão sendo realocados, a modo que fiquem isolados para evitar novas contaminações pela Covid-19.

O que diz a Agepen

Em nota, a assessoria de comunicação da Agepen afirmou que “não há nenhum caso grave ou que necessite de atendimento externo. Todos os identificados são isolados e imediatamente iniciam o tratamento”.

Problemas não param

A reportagem apurou na tarde desta quinta-feira, que o presídio Ricardo Brandão está com superlotação. O espaço é destinado para 324 detentos, no entanto, atualmente 620 cumprem pena, sendo que 341 ainda esperam por julgamento.