Notícias de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero
Iptu pp

Acusados de várias execuções, filho de Pingo Soligo é morto em Campo Grande

Jardel Ângelo Wink Soligo, (37), o Camisa 10 ou Alemão, morto no final da tarde desta quinta-feira (31) em confronto com policiais militares do Batalhão de Choque na região Oeste de Campo Grande, era definido pelas polícias como um dos principais pistoleiros da facção Primeiro Comando da Capital – PCC. O último crime atribuído a ele, foi executar Marlon Ricardo da Silva Dinarte, morto a tiros no Indubrasil dia 8 de dezembro. Marlon, também integrava a cúpula do PCC.

Apontado pela polícia como extremamente violento, “Camisa 10”, era filho do traficante internacional Irineu Domingos Soligo, o “Pingo”. De acordo com a SENAD (Secretaria Nacional Antidrogas) do Paraguai, um dos narcotraficantes brasileiros mais procurados do país e também pela Interpol (a polícia internacional), atualmente preso no Rio Grande do Sul após ser capturado em uma fazenda na região de Pedro Juan Caballero durante operação da SENAD.

Jardel morreu em confronto armado com policiais do Choque durante abordagem na Vila Bordon em Campo Grande. Foragido da Justiça, Jardel conhecido como “Camisa 10”, era apontado como um dos principais pistoleiros da facção criminosa PCC em Campo Grande.

Confronto

Pouco antes de 18h policiais militares do Batalhão de Choque ao passarem pela Rua Comandante Elias Ferreira, avistaram o veículo Renault/Fluence, cujo condutor ao notar os policiais demonstrou nervosismo extremo, sendo efetuada a abordagem.

Após retardar sua saída do veículo, o indivíduo até então sem identificação, ao desembarcar não obedeceu a ordem de levantar os braços e em seguida levou a mão à cintura sacando uma pistola apontada para a equipe, que de pronto revidou a situação e o homem foi baleado. Socorrido pela equipe e levado para a UPA Almeida, Jardel morreu durante o atendimento.

“Camisa 10” que era procurado através de mandado de prisão, estava armado com uma pistola calibre 40, arma de uso das forças de segurança que tinha a numeração raspada. O caso foi registrado na Polícia Civil como resistência, desobediência, porte ilegal de arma de fogo e homicídio em decorrência de oposição a intervenção policial, a antiga resistência.

Pax Primavera
Veja também

Ao continuar navegando nesse site, você concorda com o uso de cookies. Estou ciente Saiba mais