Na capital, pedreiro dorme na casa do patrão, furta carro, maquinário e é preso em motel

Foragido do regime semiaberto foi preso ontem (24), após ter furtado carro e maquinário de construção para trocar por drogas, ao se aproveitar do fato de estar dormindo na casa do patrão. Ele foi encontrado em quarto de motel, rastreado pelo GPS do celular que havia levado da vítima.

Segundo o Campo Grande News, Alex Adolfo Lopes da Costa, de 33 anos, foi preso em flagrante e deve passar por audiência de custódia, hoje. Por ser foragido do regime semiaberto, deve perder o benefício concedido na progressão.

Alex mora no bairro Bosque da Saudade e havia sido contratado como servente de pedreiro pela vítima, pedreiro, para auxiliar em pinturas residenciais. De acordo com boletim de ocorrência, há 15 dias, ele havia sido convidado a dormir na casa do patrão para que pudessem sair logo cedo, o que seria mais prático para o serviço.

Na noite de 23 de junho, por volta das 23h30, ele se aproveitou que o dono da casa já havia ido dormir e furtou o veículo Gol e objetos de trabalho do homem: máquina de solda, lixadeira, maquita, parafuseira, além do telefone celular.

No madrugada dessa quinta-feira, a vítima acordou por volta das 2h e deu falta do carro e viu que Alex não estava mais na casa. Conferiu o local e descobriu o furto dos outros equipamentos. Começou a rastrear o sinal do telefone celular levado e o encontrou em um motel no bairro Guanandi.

Já por volta das 11h30, policiais da Depac/Centro (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) receberam a ligação do dono do motel, que relatou que o homem estava lá, dizendo que o carro que havia sido furtado estava no local.

Os agentes foram até o motel, encontraram o dono do carro que relatou tudo que tinha ocorrido. A equipe entrou no quarto onde estava o homem, com indícios de que havia usado droga.

Alex confessou o furto, e ainda conforme o site, disse que era foragido do regime semiaberto e já havia sido preso por tráfico de drogas e receptação. Diz que é usuário de pasta base e cocaína há 4 anos.

O motorista contou que foi contratado para trabalhar como servente de pedreiro, mas não se lembra do nome do contratante, no caso, a vítima. Desde que foi convidado a dormir na casa, já estava com plano de furtar enquanto todos dormissem.

Ele disse que vendeu os objetos na rua, na Nhanhá e não sabe onde poderiam estar agora. A vítima disse que três equipamentos (solda, máquina de lixar e parafusadeira), custam R$ 1.250,00.

Veja também