A Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) informou nesta segunda-feira (7), que abriu investigação interna para apurar possíveis falhas na segurança que contribuíram para a fuga de Suail Nascimento Souza, o ‘Gago’, no começo da noite de ontem (6), após cavar um buraco no muro que dá acesso à parte externa da PED (Penitenciária Estadual de Dourados).

‘Gago’ estava preso e condenado a mais de 13 anos de prisão pelo crime de tráfico de drogas, e sua fuga só foi percebida quando os agentes penitenciários, agora chamados de policiais penais, foram realizar a contagem dos detentos.

Na PED, que inclusive é a maior penitenciário de Mato Grosso do Sul, existem quatro torres de vigias que, segundo a Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública) e a próprio Agepen, é de responsabilidade da Polícia Militar.

No entanto, desde 1 de dezembro, os policiais militares deixaram as funções de vigias externos do estabelecimento penal, conforme um ultimato que já determinava tal ação há seis meses.

A Agepen informou via assessoria de comunicação, que a obrigação da vigilância é da Polícia Militar.

“Não há nenhum acordo ou compromisso da Agepen assumir a vigilância das muralhas da PED. A Agepen não tem estrutura nem de pessoal, nem material para assumir este serviço”, afirmou a assessoria.

Já em contato com a comunicação da PM, a mesma informou que uma nota à imprensa deverá ser enviada ainda hoje, à imprensa sobre o caso.