Ponta Porã é um dos municípios que mais vacinou a população indígena. MPF quer mais empenho de gestores

Equipes de saúde municipais, estaduais e do Distrito Sanitário Especial Indígena de Mato Grosso do Sul (DSEI/MS) devem iniciar buscas ativas dos indígenas que não tomaram as segundas doses da vacina contra a Covid-19, por intermédio de equipes móveis nos territórios de origem e de preferência fora dos horários de trabalho dos indígenas.

Foram comunicadas as Secretarias Municipais de Saúde dos Municípios de Amambai, Aral Moreira, Coronel Sapucaia, Japorã, Ponta Porã, Anastácio, Aquidauana, Nioaque, Porto Murtinho, Maracaju, Douradina, Dourados, Rio Brilhante, Iguatemi e Miranda, além da Secretaria de Saúde de Mato Grosso do Sul e o DSEI/MS.

As medidas fazem parte de Recomendação conjunta expedida pelo Ministério Público Federal, Defensoria Pública da União e Defensoria Pública do Estado. A omissão na adoção das medidas recomendadas pode implicar em medidas administrativas e ações judiciais contra os gestores públicos que se omitirem. Ponta Porã é o segundo município que mais imunizou a população indígena com cerca de 85 por cento na primeira dose e perto de 74 por cento na D 2.

Atraso notável

A Recomendação baseia-se em ofício da própria DSEI/MS, que informa as doses D1 e D2 aplicadas aos indígenas e inclui tabela que comprova baixos índices da 2ª dose entre indígenas em alguns municípios:

Pax Primavera
Veja também

Ao continuar navegando nesse site, você concorda com o uso de cookies. Estou ciente Saiba mais