Diagnóstico aponta gargalos da BR-262 e reforça urgência de concessão da rodovia

O desempenho crescente da produção agropecuária, aliado ao aumento na movimentação de veículos de transporte de carga e inviabilidade de outros modais logísticos para o escoamento de grãos, minério, celulose e outros produtos, são alguns dos gargalos apontados no estudo técnico elaborado pela EPL (Empresa de Planejamento e Logística) do Ministério da Infraestrutura (Minfra) no trecho de 320 km da BR-262, que liga Campo Grande a Três Lagoas e que reforçam as solicitações do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul sobre a necessidade urgente de concessão da rodovia.

O diagnóstico, encomendado pelo Governo de Mato Grosso do Sul, busca identificar as necessidades e oportunidades de investimentos em infraestrutura no Estado. A ordem de serviço para execução do estudo técnico da EPL foi assinada em março de 2021 pelo governador Reinaldo Azambuja e o secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, sendo previsto o término do relatório entregue até março de 2022 para ser incluído no Plano Nacional de Logistíca.

De acordo com o titular da Semagro, a análise demonstra e reforça a argumentação do Governo do Estado, de que a BR-262 já possui condições que a credenciam para uma concessão. “As nossas avaliações demonstram o aumento significativo no volume de produção e de escoamento por essa rodovia. Os dados apontam que atualmente mais de 8 Milhões de toneladas entre grãos, minério, eucalipto e celulose foram transportados por esta rodovia que corta Mato Grosso do Sul de Leste a Oeste, com aproximadamente 752 km.

O EVETEA (Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental) realizado pelo DNIT em 2018 apontava que a BR-262 precisava da terceira faixa e serviços de manutenção. Novos fatos relevantes, como a implantação da nova fábrica em Ribas do Rio Pardo e inviabilidade de navegabilidade no Rio Paraguai fizeram com que o volume de veículos aumentasse significativamente.

O aumento do fluxo na BR 262, elevou o volume de acidentes ocorridos ao longo do trecho, principalmente pelo tráfego de veículos pesados que percorrem grandes distâncias dentro do Estado. “A seca prejudicou o transporte na hidrovia principalmente do escoamento de minério de ferro pelo rio. Isso representa pelo menos mil veículos a mais saindo de Corumbá e entrando na estrada afetando o leito rodoviário”, explica Jaime Verruck.

“Este novo diagnóstico vai balizar os futuros investimentos na logística de Mato Grosso do Sul, tanto pelo Governo do Estado, quanto as oportunidades para o setor privado”, diz o titular da Semagro. Segundo ele, apesar dos investimentos previstos, o diagnóstico logístico reforça a necessidade de agilizar a concessão da BR-262. “A concessão é mais do que necessária, e trará novos investimentos para infraestrutura da rodovia. Os estudos realizados apontam que o volume médio diário ultrapassam 3.800 veículos, volume com potencial crescimento nos próximos anos reforçando a viabilidade econômica da concessão”, pontua.

Diante das constatações, a rodovia deverá ter investimentos acima de R$ 43 milhões neste ano de 2022 em toda sua extensão. Deste montante R$ 21.3 milhões serão destinados a obras de restauração e supervisão da BR, do quilômetro 4 ao km 191,10, enquanto R$ 21,7 milhões serão direcionados para contratos de manutenção e conservação dos demais segmento da rodovia, totalizando 43.110.954,69, o que corresponde a 30% da LOA 2021.

O Minfra e Dnit já informaram que está previsto obras de melhorias na adequação da capacidade da rodovia, bem como nas travessias urbanas de Ribas do Rio Pardo. Campo Grande e Terenos, Contorno de Água Clara e Indubrasil (Campo Grande) e também quanto ao Anel Viário de Três Lagoas.

Desgastes na rodovia

Preocupado com a situação da BR-262, uma das principais veias de escoamento da produção estadual, o Governo do Estado ouviu as demandas de cada município e solicitou medidas urgentes ao Ministério. “Cada prefeito levou as principais reivindicações com relação a BR até o Governo do Estado que solicitou esforços do Ministério para elaboração de novos estudos de viabilidade (EVETEA). Isso é essencial para ampliar a segurança e a trafegabilidade da via”, destacou Verruck.

O relatório que foi entregue agora ao Governo do Estado pelo Minfra, codificando os trechos no entanto apontou que as condições da rodovia foram consideradas de boa/regular. Atualmente são oito empresas contratadas pelo DNIT para realização de manutenção e restauração com melhoramento da via, sendo previsto R$ 2 milhões, já alocados para fazer os estudos que tecnicamente já servirão para a elaboração dos projetos”, conforme ofício do Minfra.

Investimentos em ferrovias vão ajudar a desafogar a rodovia

As autorizações ferroviárias tanto da Eldorado Brasil Celulose, quanto da Suzano também poderão ajudar a desafogar a BR-262 e dar mais agilidade e fluidez na rodovia. “Os investimentos estão sendo autorizados e isso vai tirar carga de cima da rodovia”, comenta o assessor de logística da Semagro, Lúcio Lagemann.

O interesse nas ferrovias existe porque as empresas de celulose da Costa Leste buscam alternativas ao transporte rodoviário para exportar a produção de mais de 4 milhões de toneladas de celulose produzidas em Três Lagoas por ano que movimentaram em 2021 mais de R$ 8 bilhões.

Os projetos já foram apresentados no Ministério da Infraestrutura e a Suzano fez o pedido para construção de trechos que vão de Ribas do Rio Pardo a Inocência, e um entre Três Lagoas e Aparecida do Taboado. Também a Suzano está viabilizando o acesso à malha férrea da empresa Rumo, que já é ligada ao porto marítimo paulista.

Já a Eldorado deve investir quase R$ 1 bilhão para construir uma nova ferrovia entre Três Lagoas e Aparecida do Taboado.

Veja também