Instituto ressalta desempenho e comprometimento da polícia de MS

Em artigo publicado nesta quarta-feira (10), no jornal Folha de S. Paulo, a diretora executiva do Instituto Sou da Paz, Carolina Ricardo, destacou a liderança nacional de Mato Grosso do Sul no ranking de esclarecimento de homicídios e o compromisso do Estado com a transparência e gestão da informação.

O levantamento mostra que dos estados brasileiros, Mato Grosso do Sul é o que mais esclarece homicídios, com índice de 89%. O percentual de elucidação de mortes violentas do Estado é mais que o dobro da média nacional, que é de 44% e, se iguala à taxa de resolução dos órgãos de segurança de primeiro mundo.

“Há muita disparidade entre os estados brasileiros, ficando o Paraná e o Rio de Janeiro com índices mais baixos: 12% e 14% de esclarecimento, respectivamente. Já com os melhores índices, temos Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, com 89% e 83%, respectivamente”, lembra a diretora. A pesquisa leva em consideração assassinatos cometidos no Brasil em 2018 e que tenham sido esclarecidos até 2019.

Carolina ressaltou ainda o compromisso com a transparência e a gestão da informação dos estados que mandaram as informações para o cálculo das quatro edições do relatório “Onde Mora a Impunidade”. São eles: Espírito Santo, Roraima, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

“Ainda há muitos desafios. Mas no que se refere à capacidade de o Estado brasileiro de solucionar melhor seus homicídios, é preciso celebrar os avanços incrementais que contribuem para ampliar o acesso à verdade e à Justiça aos familiares das vítimas de homicídios e para reduzir a impunidade desse crime tão brutal”.

Para o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira, o resultado de 89% nos esclarecimentos dos homicídios está diretamente atrelado aos investimentos feitos nas forças de segurança pelo Governo do Estado, especialmente por meio do Programa MS Mais Seguro.

“Com o MS Mais seguro foram injetados mais de R$ 130 milhões na segurança pública, o que proporcionou a aquisição de novas viaturas, equipamentos, munições, contratações de quase 2.200 policiais, bombeiros e agentes penitenciários, implementação dos 11 núcleos de inteligência no interior, construções, reformas e adequações das unidades de segurança de todo o Estado. Também fazem a diferença a capacitação e dedicação dos nossos policiais e a criação do GOI (Grupo de Operações de Investigações), do Ocop (Obtenção de Capacidade Operacional Plena), dos NRIs (Núcleos Regionais de Inteligência), ALIs (Agências Locais de Inteligência) e do SIG (Setor de Investigações Gerais)”, finalizou Videira.

Veja também