Criação da Rota Bioceânica é contada em HQ

Para contar a trajetória de criação da Rota Bioceânica, a mestre, Katia Juliane Lopes de Oliveira, desenvolveu uma revista de histórias em quadrinhos durante o período em que cursou o mestrado acadêmico em Letras na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), unidade de Campo Grande, sob orientação do Prof. Dr. Nataniel dos Santos Gomes.

Essa rota irá facilitar o acesso entre o Mato Grosso do Sul (Campo Grande) e os portos do Chile (Iquique) para fortalecer o comércio exterior da América do Sul em direção aos mercados asiáticos pelo Oceano Pacífico – saindo do Brasil, passando pelo Paraguai, Argentina e chegando ao Chile.

Ilustrada pelo artista, João Rampi, também mestrando de Letras da UEMS, a hq sobre a viabilização da Rota Bioceânica é uma forma de apresentá-la para o grande público destacando as questões que envolvem a cultura, a fronteira e a miscigenação dos traços culturais, a transculturalidade aflorada na ROTA.

A pesquisadora escolheu esta temática após uma trajetória de convivência política, de assessoria de comunicação, e como educadora em sala de aula de ensino básico. Neste período foi possível resgatar e perpetuar a história do estado de Mato Grosso do Sul, um estado novo, e com a convergência de tantas culturas miscigenadas, passa a ser o coração da Rota Bioceânica. Motivo este que a fez observar alguns pontos possíveis de estudos tendo como pano de fundo a ROTA, o suporte a Linguística aplicada, como método a produção do HQ, a fim de que houvesse um processo de estudo das multimodalidades por meio do produto.

“A pesquisa e os quadrinhos desenvolvidos são importantes para demonstrar a história da criação da Rota e os benefícios que ela irá trazer para a região. Sendo uma questão de importante valor para a sociedade, pois envolve uma mudança cultural, social e comercial para os países envolvidos. Posto isto, apresentá-la com base na linguagem visual é uma forma de chamar a atenção, já que, as histórias em quadrinhos são narrativas visuais, são uma representação do lúdico e do imaginário através das imagens”, destaca Katia Juliane.

O docente da UEMS e orientador do trabalho, Nataniel Gomes, ressalta que o trabalho da Professora Kátia Juliane tem um potencial de servir como uma porta de entrada para que muitos possam entender a importância da Rota. “Ele tem uma linguagem acessível para quem não é especialista no assunto. Além disso, por ser ilustrado, acaba se tornando muito atrativo para todo tipo de leitor. Ele tem uma identificação maior para os jovens, por causa do tipo de ilustração utilizado, mais cartunesca e um fino toque de humor. Isso não impede que leitores mais velhos possam aprender muito também com o trabalho dela”, explica.

Veja também