A Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) vai contar com mais 590 vagas em novos cursos de graduação em 2021. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (9), pelo governador Reinaldo Azambuja.

Além dos cursos a distância que já estão com inscrições abertas (Pedagogia e Licenciatura em Ciências Sociais), a UEMS vai abrir os cursos presenciais de Agronomia, em Maracaju e Mundo Novo, com 50 vagas em cada unidade; de Sistema de Informação, em Nova Andradina (40 vagas); e de Tecnologia em Logística, em Jardim (40).

Depois de 10 anos, a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) vai voltar a ter vestibular para ingresso de alunos nos cursos de graduação em 2021. A provável data da prova foi confirmada nesta segunda-feira (9) pelo governador Reinaldo Azambuja: 6 de fevereiro.

Com isso, a partir do ano que vem a universidade terá metade das vagas destinadas a alunos aprovados pelo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e metade por meio do vestibular. O retorno da avaliação só foi possível graças ao apoio do Governo do Estado, que está aportando recursos na ordem de R$ 300 mil.

R$ 2,3 milhões

Em reunião na governadoria, Reinaldo Azambuja autorizou ainda o repasse de R$ 2,3 milhões da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul) para a instituição.

“A UEMS cumpre um papel fundamental preparando os jovens para o futuro e o mercado de trabalho e promovendo pesquisas que impactam na vida dos sul-mato-grossenses. Investir na Universidade Estadual é uma prioridade. Lá atrás, entregamos o câmpus de Campo Grande e ampliamos os investimentos. Agora, estamos aumentando nossa oferta de cursos, repassando recursos para projetos de graduação, Mestrado e Doutorado e entregando R$ 7,9 milhões em obras e reformas nas unidades, como o auditório novo de Dourados, o bloco de laboratórios de Mundo Novo e o laboratório de Química e Engenharia de Alimentos de Maracaju”, disse o governador.

Jardim, Cassilândia, Aquidauana e Paranaíba também recebem reformas nas unidades universitárias. Em Ponta Porã, o governo investe R$ 1 milhão na mudança da sede para a Escola Calvoso e na construção de um bloco para atender professores e técnicos administrativos. Já na capital, o investimento mais recente é em adaptações em salas administrativas.

O repasse financeiro da Fundect será investido em 63 projetos contemplando demandas específicas de 50 cursos de graduação e 13 de pós-graduação (Mestrado e Doutorado), com valores de R$ 80 mil a R$ 200 mil para cada iniciativa. Para o reitor professor Laércio Alves de Carvalho, o montante irá contribuir para o aumento da qualidade dos cursos, melhorar o atendimento à comunidade e alavancar o desenvolvimento do Estado.

“O lançamento do programa de investimentos na UEMS pelo Governo do Estado reforça todo o compromisso que a administração estadual tem com a educação. Todos esses investimentos são importantes porque a universidade vem crescendo e atendendo as principais demandas do Estado de Mato Grosso do Sul. Esse montante irá proporcionar uma atuação de qualidade, com ensino, pesquisa e extensão, atendendo os anseios da comunidade nas diversas regiões de Mato Grosso do Sul”, afirmou o reitor.

Reinaldo Azambuja ainda definiu o dia 1º de dezembro para a reunião entre Governo e representantes do Sindicato dos Técnicos Administrativos para implementação do Plano de cargos e Carreiras da UEMS, resolvendo um problema de mais de sete anos.

A UEMS está presente em 22 cidades do Mato Grosso do Sul, com 15 unidades físicas e sete polos de ensino a distância no Estado, além de 11 Centros de Pesquisa, Ensino e Extensão, os Cepex, distribuídos em seis cidades de Mato Grosso do Sul. São 10 mil matriculados em 60 cursos de graduação (presenciais e a distância), dois doutorados, 14 mestrados e dez cursos de especialização.

A reunião contou ainda com as presenças dos secretários Eduardo Riedel (Governo e Gestão Estratégica) e Maria Cecília Amendola da Motta (Educação) e da vice-reitora Celi Corrêa Neres.