A Federação Internacional de Judô (FIJ, sigla em inglês) confirmou o calendário do Circuito Mundial da modalidade até os Jogos Olímpicos de Tóquio. O primeiro semestre do ano será marcado por cinco Grand Slams e o Campeonato Mundial. Torneios Continentais e cinco Abertos completam o cronograma de eventos classificatórios à Olimpíada de Tóquio. Aproximadamente 10 mil pontos no ranking mundial, listagem que servirá de base para a classificação, ainda estarão em jogo. Os 18 melhores de cada categoria de peso ao final da corrida olímpica, no dia 28 de junho, carimbam o passaporte.

Com tantos torneios, a temporada já começa na próxima semana com o World Masters de Doha, no Catar, a partir de 11 de janeiro. Apesar de abrir o ano, o torneio é a segunda competição mais importante na corrida olímpica em termos de pontuação, valendo até 1.800 pontos. Só valerá menos do que o Mundial de Budapeste, que dá até 2.000 pontos no ranking. E justamente a realização do Mundial em um ano olímpico é a maior novidade do calendário de 2021. A mudança ocorreu porque o torneio estava previsto para o ano passado e teve que ser cancelado em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Outro ponto importante é a valorização ainda maior dos Grand Prix. Nesse ano, esses torneios ganharão um peso ainda maior. Antes, eles ofereciam até 700 pontos. Agora, com a chancela de Grand Slam, valerão 1.000 pontos no ranking. Sendo assim, as disputas de Tel Aviv (Israel), Tashkent (Usbequistão), Tbilisi (Geórgia) e Antalya (Turquia), se juntam ao Grand Slam de Paris, que foi realocado de fevereiro para maio e promete ser o mais concorrido na véspera do Mundial.

A Federação ainda deixou em aberto a possibilidade da promover outros eventos antes do Jogos Olímpicos. Segundo a nota, “estes são só os eventos confirmados. Ainda há espaço e tempo para mais, se a situação da saúde global melhorar”.

Atualmente, o Brasil tem judocas dentro da zona de classificação em 13 das 14 categorias de peso. Somente no peso leve feminino nenhuma atleta verde e amarela estaria classificada no momento. Essa é a categoria da campeã olímpica Rafaela Silva, que, no final do ano passado, teve a suspensão por doping confirmada e não poderá competir em Tóquio.

CALENDÁRIO IJF 2021

11-13 Janeiro: World Masters – Doha/Catar – 1.800 pts

18-20 Fevereiro: Grand Slam – Tel Aviv/Israel – 1.000 pts

27-28 Fevereiro: Aberto Europeu – Praga/Rep. Tcheca – 100 pts

06-07 Março: Aberto Pan-Americano – Santiago/Chile – 100 pts

05-07 Março: Grand Slam – Tashkent/Usbequistão – 1.000 pts

13-14 Março: Aberto Pan-Americano – Lima/Peru – 100 pts

20-21 Março: Aberto Pan-Americano – TBC/Argentina – 100 pts

26-28 Março: Grand Slam – Tbilisi/Geórgia – 1.000 pts

01-03 Abril: Grand Slam – Antalya/Turquia – 1.000 pts

16-18 Abril: Campeonato Pan-Americano – Córdoba/Argentina – 700 pts

08-09 Maio: Grand Slam – Paris/França – 1.000 pts

06-13 Junho: Campeonato Mundial Individual e Equipes Mistas – Budapeste/Hungria – 2.000 pts

24-31 Julho: JOGOS OLÍMPICOS – TÓQUIO 2020