Executado na Capital, paraguaio já foi preso com mais de meia tonelada de droga

O paraguaio Elieser Romero Espinosa, de 26 anos, assassinado esta manhã (11), com pelo menos cinco tiros, no bairro Nova Lima, em Campo Grande, já havia sido preso com mais de meia tonelada de droga.

A prisão aconteceu em outubro de 2021, na casa onde houve a execução. Na época, a polícia apreendeu 656 quilos de maconha.

Segundo o Campo Grande News, a prisão dos irmãos ocorreu no dia 26 do referido mês, depois da polícia receber denúncia anônima. Os agentes visualizaram a caminhonete S10 branca, placas de Brasília, por frestas do portão na Rua Randofo Lima e sentiram forte cheiro do entorpecente.

Ao entrar na residência, foram localizados: Simon Pedro Romero Espinoza, de 35 anos, Cinthia Carolina Ortellado Bernal, de 32, e Elieser Romero, que se apresentou como responsável pelo ilícito. Ele disse que teria sido contratado por um desconhecido para levar o carro com a maconha até o estado de Goiás e que estava morando na casa do irmão havia dois meses.

Aos policiais, Simon disse que não tinha relação com o tráfico, mas que havia permitido que o irmão a guardasse no local. A esposa de Simon, também paraguaia, relatou que não sabia da droga apreendida no local, apenas que o veículo havia sido levado até a casa durante o domingo.

Execução

Ainda conforme o site, Elieser deixou o presídio na manhã de hoje e foi surpreendido pelos atiradores quando chegava em casa.

O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas o homem não resistiu aos ferimentos, caiu no portão da residência e morreu. O irmão chegou poucos minutos depois do crime.

Testemunhas escutaram seis tiros, de acordo com a Polícia Militar. No corpo, os bombeiros encontraram, preliminarmente, 13 perfurações. Testemunhas ainda revelaram que Elieser já foi vítima de atentado a tiros há alguns meses, segundo o Campo Grande News.

O delegado plantonista da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro de Campo Grande, Rodrigo Camapum, afirmou que foram apreendidas cápsulas de pistola 9mm.  A perícia faz os trabalhos de praxe no local do crime.

Pax Primavera
Veja também

Ao continuar navegando nesse site, você concorda com o uso de cookies. Estou ciente Saiba mais