Homem acusado de matar ator mirim passou por Ponta Porã

Paulo Cupertino, acusado de matar o ator mirim Rafael Miguel, foi preso ontem (16), em São Paulo, mas segundo a polícia, antes disso, sua rota de fuga foi Ponta Porã, fronteira com o Paraguai.

Ele morou em Mato Grosso do Sul por oito meses entre os quase três anos que ficou foragido pela morte do ator e dos pais dele. Conforme informações da Polícia Civil, durante 2020, o acusado ficou em um sítio localizado na cidade de Eldorado, e usava um nome falso de ‘Manoel Machado da Silva’, conhecido como ‘Seu Manoel’.

As informações sobre a passagem de Cupertino pelo Estado chegaram até as autoridades policiais depois que ele já tinha deixado a Unidade de Federação. Além disso, a investigação confirmou o período em que o acusado permaneceu em MS por meio de fotos e vídeos de câmeras de segurança.

Em Eldorado, ele usava barba grande e máscara, o que ajudava no disfarce. O acusado frequentava assiduamente uma barbearia, uma lotérica onde fazia apostas e até o posto de saúde da cidade, após conseguir emitir uma carteira no SUS (Sistema Único de Saúde).

Em 2020, a investigação da polícia apontava que Cupertino era muito discreto e começou a sair do sítio apenas no começo da pandemia, quando pôde usar máscara de proteção.

De acordo com a Polícia Civil, Paulo Cupertino teria chegado ao estado após fuga para Ponta Porã, onde conheceu um homem que o levou para Eldorado.

“A polícia acredita que Paulo Cupertino e o Alfonso se conheceram em Ponta Porã. Lá, já sabendo dos fatos, Alfonso ajudou Cupertino e ofereceu uma vaga de caseiro na fazenda dele. Ali, ele viveu como Seu Manoel até o dia da fuga”, explicou o delegado Pablo Reis.

A investigação apontou também que, antes da estadia em Eldorado, o assassino conseguiu a emissão de uma falsa Certidão de Pessoa Física (CPF) ao apresentar outros documentos (falsos) na Receita Federal de Ponta Porã.

Veja também