Origens e destinos da maconha paraguaia

Para o tráfico de drogas, a produção de maconha em escala internacional teve que se adaptar à geografia nacional, abastecendo assim os mercados consumidores de pelo menos 5 países. Dessa maneira, remessas de cannabis para a Bolívia e principalmente para o Brasil emergem do norte da região leste, enquanto traficantes da Argentina, Chile e Uruguai obtêm suprimentos de plantações no sul do país, onde usam o rio Paraná como meio de fuga e circulação.

Anteriormente, a maconha produzida em nosso país estava concentrada com maior impulso nos departamentos de Amambay, Canindeyú e San Pedro. Esses três departamentos monopolizaram o mercado de fronteiras com o Brasil por décadas. Embora a Argentina já estivesse estabelecida como o segundo país de destino, as remessas para esse país não estavam atingindo o ritmo necessário para cobrir a demanda.

Novos departamentos foram adicionados a esse cenário, como; Caaguazú, Itapúa, Alto Paraná, Ñeembucú e Misiones. Embora os dois últimos não possuíam plantações consideráveis, eles cumprem um papel fundamental para a entrada de toneladas da droga pela hidrovia Paraguai-Paraná e cidades vizinhas da Argentina.

Assim, a região leste foi configurada em uma região norte de destino exclusivo brasileiro e uma região sul com uma produção preparada para Argentina e Uruguai.

No caso do Chile, além das complicações que os traficantes de drogas tem para tirar o entorpecente do departamento de Itapúa, cruzar a Argentina e finalmente entrar no território chileno, os riscos oferecem o preço mais alto da região.

Nesse contexto, a SENAD em 2019 desenvolveu cerca de oito grandes operações que exigiram a colaboração dos governos do Brasil e da Argentina. Essas operações em larga escala atingiram a destruição de cerca de 4.000 toneladas. Essas intervenções atingiram significativamente o narcotráfico, causando perdas de pelo menos 137 milhões de dólares.

A “Operação Integração”, realizada com a Argentina na Reserva Natural San Rafael, Itapúa, acrescentou uma nova missão, formar uma equipe interinstitucional junto ao MADES e outras entidades, para enfrentar os danos causados pelo narcotráfico em áreas protegidas do país . Esses esforços de conservação concluem que os traficantes de drogas buscam cada vez mais paisagens arborizadas, geralmente em parques nacionais.

Veja também