Pistoleiros iriam receber US$ 50 mil para matar comissário paraguaio

O ataque ao comissário da Polícia Nacional do Paraguai, Fernando Ariel Ruiz Díaz Ortega, ocorrido na última segunda-feira (25), na cidade de Juan León Mallorquín, no Departamento de alto Paraná foi encomendado por US$ 50.000 dólares. A informação é do chefe de Investigações Feliciano Martínez.
A encomenda, de acordo informações divulgadas por Martinez, durante entrevista à Radio Monumental AM, teria sido feita por dois narcotraficantes brasileiro ligado ao alto comando de uma organização criminosa.


“Calculamos que um dos presos seja de alto escalão no tráfico de drogas”, em referência a Adriano Benites Lima que foi apontado como líder do ataque ao comissário. Com ele foram presos Andrey Silva Nunes e também Francisco Neto Pintos, que disse cumpria ordens de uma facção.


Adriano Benites Lima, que, segundo as autoridades, havia sido contratado para organizar o ataque contra o delegado. Ele próprio foi capturado com seus supostos cúmplices Wilson Francisco Neto Pintos e Andrey Silva Nunes, que afirmou cumprir ordem de um narcotraficante brasileiro.

Veja também