Cerca de duas horas após dar entrada no CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), uma das duas onças pintadas resgatadas na região da Serra do Amolar, no Pantanal, com queimaduras de segundo e terceiro graus nas patas, não resistiu e foi a óbito. O veterinário do Imasul Lucas Cazati, responsável técnico do CRAS, disse que a causa da morte só será confirmada após a realização da necropsia, na manhã dessa quarta-feira.

As onças foram vistas próximas ao rio Paraguai em condições precárias, uma não conseguia andar. A equipe que trabalha no resgate de animais no Pantanal foi chamada e conseguiu fazer a sedação, e o transporte até Campo Grande foi feito numa aeronave das FAB (Força Aérea Brasileira).

Os animais chegaram bastante sedados e passaram por exames clínicos que mostraram que estavam com respiração, frequência cardíaca e temperatura boas. Foram medicadas com anti-inflamatório, antibiótico e analgésico, e também receberam hidratação intravenosa. Logo após o resgate, ainda no Pantanal, os ferimentos nas patas foram tratados com pomadas e enfaixados.

Eram duas onças macho ainda jovens, com menos de dois anos de idade, calcula Cazati. Devem pesar cerca de 70 quilos; na fase adulta um macho pode passar de 100 quilos. A segunda onça continuava sedada até o fechamento dessa matéria, por volta das 17h desta terla-feira, e as condições clínicas pareciam estáveis. O CRAS deve liberar boletim informando sobre o estado de saúde dela na manhã dessa quarta-feira (4).